EnglishPortugueseSpanish

Regimento do Programa

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM OFTALMOLOGIA E CIÊNCIAS VISUAIS

DISPOSIÇÕES INICIAIS

Artigo 1º – Este regimento estabelece as normas reguladoras das atividades acadêmicas e administrativas do Programa de Mestrado Profissional (MP) em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular do Departamento de Oftalmologia e Ciências Visuais da Escola Paulista de Medicina /Universidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP), em consonância com o Regimento Interno de Pós-graduação stricto sensu e de Pesquisa da UNIFESP e demais dispositivos legais.

TÍTULO I – DAS FINALIDADES

Artigo 2º – O MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular tem por objetivo o aprimoramento profissional para aumentar a geração, difusão e utilização de conhecimento técnico-científico no processo produtivo de bens e serviços de relevância social na área de saúde ocular.

Artigo 3º – O Programa de MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular tem como objetivos específicos:

  1. formar mestres profissionais habilitados para desenvolver atividades profissionais e trabalhos técnico-científicos em temas ligados à saúde ocular complementado pelo ensino de boas práticas e pela análise criteriosa da literatura científica;
  2. produzir e transferir inovação tecnológica de produtos e serviços em consonância com as políticas brasileiras de incentivo ao desenvolvimento socioeconômico sustentável;
  3. possibilitar aos órgãos públicos e privados, empresas, cooperativas e organizações não governamentais, individual ou coletivamente organizadas, identificar oportunidades para desenvolver atividades de pesquisa e ensino no campo da saúde ocular nas esferas local, regional, nacional e internacional.

TÍTULO II – DA ORGANIZAÇÃO, COMPOSIÇÃO E COMPETÊNCIAS

CAPÍTULO I – DA COMISSÃO DE ENSINO DO MP EM TECNOLOGIA, GESTÃO E SAÚDE OCULAR

EM REVISÃO

CAPÍTULO II – DA COMISSÃO DE QUALIDADE DO MP EM TECNOLOGIA, GESTÃO E SAÚDE OCULAR

SEÇÃO I – DA COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO DE QUALIDADE

Artigo 9º -Integram a Comissão de Qualidade (CQ) do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular:

  1. O Coordenador Geral do Programa, seu membro nato e que a presidirá;
  2. 2 (dois) docentes representantes titulares e o vice-coordenador e 2 (dois) suplentes.

Artigo 10º – Em caso de ausência não justificada de um membro docente em mais de 3 (três) reuniões da CQ do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular para as quais foi convocado, esta comissão destituirá o membro faltoso, que será substituído por seu respectivo suplente para completar seu mandato. Caso não haja suplente, não haverá uma nova ocupação da vaga.

Artigo 11º – Em caso de qualquer outro tipo de impedimento de um membro docente da CQ do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular terminar o seu mandato, assumirá o seu suplente até o final do mandato.

SEÇÃO II – DAS COMPETÊNCIAS DA COMISSÃO DE QUALIDADE DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL

Artigo 12º – São atribuições da CQ do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular:

  1. Zelar pelo fiel cumprimento dos critérios estabelecidos pela legislação vigente no que tange à Pós-Graduação stricto sensu;
  2. Estabelecer os indicadores de qualidade do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular seguindo as determinações da CAPES.
  3. Acompanhar a produção de docentes e discentes do programa, além de outros indicadores previsto nas avaliações internas e externas do mesmo.
  4. Propor as estratégias de autoavaliação do programa

SEÇÃO III – DO FUNCIONAMENTO DA COMISSÃO DE QUALIDADE DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL

Artigo 13º – A CQ do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular funcionará de forma contínua de acordo com as demandas existentes do programa.

CAPÍTULO III – DO COORDENADOR E SECRETARIA DO MP EM TECNOLOGIA, GESTÃO E SAÚDE OCULAR

SEÇÃO I – DO COORDENADOR DO MP EM TECNOLOGIA, GESTÃO E SAÚDE OCULAR

Artigo 13º – Compete ao coordenador:

  1. Promover e harmonizar o funcionamento da CEPGPq e do respectivo programa
  2. Representar o programa quando necessário
  3. Nomear um vice coordenador dentro dos membros do corpo docente permanente do programa, que o substituirá quando solicitado pelo coordenador
  4. Integrar as atividades de Pós-graduação e Pesquisa do Departamento de Oftalmologia às da Unifesp
  5. Promover a qualificação do programa e das atividades de pesquisa do Departamento de Oftalmologia
  6. Observar o cumprimento as normas dos regimentos internos de Pós-graduação e Pesquisa da UNIFESP e da EPM
  7. Convocar reuniões da CEQ do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular;
  8. Manter atualizadas as informações do programa, podendo utilizar meios eletrônicos
  9. Zelar pelo funcionamento do sítio eletrônico do programa
  10. Decidir em primeira instância sobre quaisquer questões omissas relativas ao programa devendo informar a CEPGPQ – OFTCV assim que possível
  11. Confecção de relatórios solicitados por instâncias internas e externas de avaliação do programa
  12. Ser o responsável pelo preenchimento da plataforma Sucupira;

SEÇÃO II – DA SECRETARIA DO MP EM TECNOLOGIA, GESTÃO E SAÚDE OCULAR

Artigo 15º – São atribuições da Secretaria subordinada ao MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular:

  1. Manutenção e atualização dos registros acadêmicos do curso, incluindo atividades de disciplinas e turmas;
  2. Redação das atas das reuniões da Comissão e dos Relatórios CAPES e de outros pertinentes ao Programa;
  3. Divulgação de editais de inscrição nos processos de seleção e recebimento das inscrições dos candidatos;
  4. Recebimento das inscrições dos candidatos selecionados para a categoria de alunos regulares no MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular;
  5. Organização e manutenção do cadastro dos alunos do Programa;
  6. Assessorar a realização das reuniões da CEQ do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular;
  7. Secretariar as reuniões do CEQ do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular;
  8. Manter canais de comunicação entre os corpos docente e discente;
  9. Providenciar a expedição de atestados e declarações;
  10. Auxiliar a coordenação das Comissões de Ensino e Qualidade do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular;
  11. Tomar as providências necessárias para viabilizar as defesas de dissertação aceitas pela CEQ do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular e homologadas pela PROPGPq;
  12. Participar ativamente do preenchimento da plataforma Sucupira;
  13. Estar disponível para realizar outras atividades que se fizerem necessárias para o bom funcionamento do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular.

SEÇÃO V – DAS ELEIÇÕES E MANDATOS DO MP EM TECNOLOGIA, GESTÃO E SAÚDE OCULAR

Artigo 16º – As eleições para o novo coordenador do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular serão convocadas pelo coordenador em exercício, com pelo menos 30 (trinta) dias de antecedência ao término do seu mandato, devendo o mesmo prever prazos para inscrição e homologação de candidatos dentro desse período.

  1. O Coordenador do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular será escolhido por meio de eleição direta por todos os docentes permanentes do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular, e terá um mandato de 3 (três) anos, sendo permitida 1 (uma) recondução consecutiva a ser confirmada por votação aprovada em reunião colegiada por maioria simples.
  2. Após a apuração dos votos, o Coordenador divulgará uma lista com os nomes dos docentes em ordem decrescente do número de

Artigo 17º – As eleições para os membros das CE e CQ do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular serão convocadas pelo Coordenador, em edital próprio, com pelo menos 30 (trinta) dias de antecedência, devendo o mesmo prever prazos para inscrição e homologação de candidatos dentro desse período.

  1. Os membros da CE e CQ do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular serão escolhidos por meio de eleição direta entre os docentes permanentes componentes, e terão um mandato de 3 (três) anos.
  2. Os membros discentes da CE e CQ serão escolhidos por meio de eleição direta entre seus pares.

TÍTULO III – DA ORGANIZAÇÃO ACADÊMICA

Artigo 18º – O MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular compreende áreas de concentração com suas respectivas linhas de pesquisa, definidas pela CEQ do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular e instâncias superiores, visando promover o desenvolvimento científico e tecnológico em pesquisa e desenvolvimento nas áreas compreendidas.

CAPITULO I – DO CORPO DOCENTE

Artigo 19º – O corpo docente credenciado do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular é composto por docentes permanentes, colaboradores e visitantes.

Artigo 20º – Integram a categoria de Docentes Permanentes os docentes assim enquadrados pelo Programa e que atendam a todos os seguintes requisitos:

  1. Desenvolvam atividades de ensino regularmente no MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular;
  2. Participem de atividades de pesquisa junto ao Programa, com produção científica-tecnológica regular e qualificada;
  3. Orientem regularmente alunos do Programa;
  4. Tenham vínculo funcional com a UNIFESP ou tenham firmado, com esta Universidade, termo de compromisso de participação como docente do Programa, segundo a legislação
  5. Apresentem produção intelectual adequada dentro dos critérios esperados pela UNIFESP e Capes

Artigo 21º – Integram a categoria de Docentes Colaboradores os demais membros do corpo docente do programa que não atendam a todos os requisitos para serem enquadrados como Docentes Permanentes ou como visitantes, mas participem de forma sistemática do desenvolvimento de projetos de pesquisa ou atividades de ensino ou extensão e/ou da orientação de estudantes, independentemente do fato de possuírem ou não vínculo com a UNIFESP.

Artigo 22º – O credenciamento de docentes para o MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular é atribuição do Conselho de Pós-Graduação e Pesquisa, por solicitação da Comissão de Ensino do Mestrado Profissional, e ouvida a Câmara de PGPq da Unidade Universitária dentro das “Diretrizes para Credenciamento de Professor Orientador” em vigência.

§1º O pedido do credenciamento do docente deve seguir os critérios mínimos exigidos pela Câmara de Pós-graduação da UNIFESP e ser acompanhado de: 1) currículo vitae atualizado, com ênfase na produção intelectual e/ou tecnológica dos 3 (três) últimos anos; 2) descrição das atividades em disciplinas a serem ministradas; 3) duas coorientações concluídas no programa ou equivalente, adequação nas áreas de concentração, linhas de pesquisa e projetos do programa, com capacidade de captação de recursos.

§2º O pedido de credenciamento do docente deverá ser indicado pela CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular, aprovado em plenária na reunião deste MP, referendada pela comissão de credenciamento da Câmara de Pós-Graduação e Pesquisa da UNIFESP e homologado pela Comissão de Pós-Graduação e Pesquisa da UNIFESP.

Artigo 23º – A homologação de coorientador de uma dissertação deverá ser feita pela CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular seguindo as seguintes premissas:

  1. Que o mesmo seja portador do título de mestre, doutor ou equivalente;
  2. Que esse reconhecimento como coorientador de uma ou mais dissertações não implique em credenciamento como docente do

Artigo 24º – São atribuições do corpo docente do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular:

  1. Ministrar aulas e seminários no Programa;
  2. Desenvolver projetos de pesquisa e desenvolvimento que possibilitem a participação de alunos dos cursos;
  3. Orientar discentes dos cursos;
  4. Integrar comissões julgadoras de qualificação e dissertações do Programa;
  5. Solicitar, mediante justificativa, o desligamento de seu(s) orientando(s) por insuficiência de desempenho ou por questões éticas;
  6. Desempenhar todas as demais atividades acadêmicas e administrativas pertinentes ao Programa;
  7. Captação de recursos;
  8. Colaboração de pesquisa com outras instituições e programas nacionais e internacionais;
  9. Estimular os mestrandos a participar de atividades sociais e comunitárias.

Artigo 25º – Em caso de afastamento por motivo de saúde em um período superior a 6 (seis) meses, o orientador deverá indicar, para cada um dos seus alunos, um novo orientador credenciado no MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular O novo orientador ficará responsável pelo aluno até o retorno do afastamento ou até a defesa de dissertação.

CAPÍTULO II – DA INSCRIÇÃO E SELEÇÃO DISCENTE

Artigo 26º – O MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular destina-se aos portadores de diplomas de graduação outorgados por Instituição oficial de Ensino Superior ou por ela reconhecida.

Artigo 27º – Entende-se como alunos regulares aqueles que, preenchendo os requisitos estabelecidos neste regimento, busquem explicitamente a titulação formal de Mestre Profissional.

Artigo 28º – São considerados alunos especiais ou PG0 os alunos sem vínculo formal com o MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular, porém matriculados em disciplinas do programa mediante autorização da CE.

Parágrafo único: Mediante disponibilidade de vagas e com a anuência do docente responsável pela disciplina, o aceite de alunos especiais será realizado pela CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular por meio de análise curricular e seguindo calendário específico de disciplinas previamente divulgado.

Artigo 29º – A matrícula dos alunos no MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular ocorre por fluxo contínuo. O controle do número de vagas é realizado pelo CE com base nas disponibilidades de recursos humanos e materiais.

Parágrafo único: A inscrição será formalizada mediante a apresentação da documentação que será descrita em edital específico para este fim.

Artigo 30º – A processo de seleção dos alunos regulares será conduzido pela CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular, em fluxo contínuo, seguindo as etapas abaixo:

  1. Entrar em contato com a secretária do Mestrado Profissional e solicitar a ficha de interesse.
  2. Preencher ficha de interesse e esperar reunião de orientação sobre o programa.
  3. Nesta reunião, o interessado receberá informações sobre o programa e que sua matrícula ocorrerá no momento em que ele entregar um projeto de pesquisa registrado no Comitê de Ética em Pesquisa, já com um orientador definido.
  4. A reunião inicial tem como objetivo ajudar os alunos em dúvidas sobre como deve ser o projeto e linhas de pesquisa de cada orientador.
  5. As reuniões serão agendadas e convocadas pela secretaria do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular.

Título IV – DO REGIME ACADÊMICO

CAPÍTULO I – DA ESTRUTURA E DURAÇÃO DO CURSO

Artigo 31º – O período de integralização do curso terá a duração mínima de 12 (doze) meses e máxima de 24 (vinte e quatro) meses para o Mestrado Profissional.

§1º A integralização do período mencionado será computada a partir da data de ingresso como aluno regular no curso até a data de defesa da Dissertação.

§2º Em casos excepcionais, devidamente justificados e documentados, aluno e orientador poderão solicitar prorrogação do curso à CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular. Cada solicitação de prorrogação deve ser de, no máximo 6 (seis) meses.

§3º O aluno poderá, com a devida autorização do orientador e da CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular, realizar atividades acadêmicas fora da sede do Curso, no país ou no exterior, desde que garantida a existência de orientadores qualificados, ambiente criador e condições materiais adequadas.

CAPÍTULO II – DO REGIME DE CRÉDITOS

Artigo 32º – A unidade básica para a avaliação do trabalho acadêmico será o crédito, em conformidade com as normas em vigor na UNIFESP. Cada unidade de crédito corresponde a 15 (quinze) horas de atividades planejadas.

Artigo 33º – Para integralização do curso de Mestrado Profissional, o aluno deverá completar 25 (vinte e cinco) créditos, incluindo obrigatoriamente os créditos referentes as disciplinas obrigatórias: Fundamentos do Mestrado Profissional, Metodologia Científica, Noções de Bioestatística, Bioética e Dia da Pesquisa.

Artigo 34º – Todos os alunos deverão ter atingido o total de créditos exigidos até a data da defesa.

Artigo 35º – Os alunos regulares do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular que tenham cursado disciplinas em nível de pós-graduação em outras instituições ou na própria UNIFESP poderão solicitar o aproveitamento dos créditos correspondentes para fins de cumprimento dos créditos em disciplinas exigidos pelo programa, solicitação esta limitada a 10 créditos e que será analisada pela CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular.

§1º A CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular poderá aceitar disciplinas de pós-graduação ministradas em outras Universidades, nacionais ou estrangeiras, nas quais o aluno tenha sido aprovado, mesmo que cursadas antes do seu ingresso no curso;

CAPÍTULO III – DA MATRÍCULA E DA INSCRIÇÃO E M DISCIPLINA

Artigo 36º – O aluno poderá solicitar à CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular, por meio de processo devidamente justificado, o trancamento de sua matrícula por um período máximo de 12 (doze) meses, intercalados ou não.

§1º O período de trancamento não será computado para a integralização do curso.
§2º O Histórico Escolar registrará o período em que o aluno esteve com a matrícula trancada.

CAPÍTULO IV – DA VERIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ACADÊMICO

Artigo 37º – A avaliação do rendimento acadêmico será individual, sendo realizada em cada disciplina, pelo professor responsável.

§1º O rendimento acadêmico nas disciplinas será expresso por conceitos A, B, C ou D.
§2º Fará jus aos créditos o aluno que obtiver, em cada disciplina, os conceitos A, B ou C e frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária.
§3º O aluno poderá solicitar revisão de conceito à CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular.

Artigo 38º – Será automaticamente desligado do curso de pós-graduação:

  1. O aluno que sofrer mais que uma reprovação em disciplinas do curso;
  2. O aluno que tiver seu registro acadêmico trancado por um período superior ao previsto no Artigo 34º;
    1. O aluno que não estiver matriculado em nenhuma disciplina, salvo quando já tiver contabilizado todos os créditos em disciplinas necessários para a obtenção do título ou quando estiver com a matrícula trancada;

Artigo 39º – Alunos regulares poderão ser desligados do Programa por recomendação dos respectivos orientadores quando não demonstrarem progresso e bom desempenho em suas atividades de pesquisa.

CAPÍTULO V – DA QUALIFICAÇÃO

Artigo 40º – O exame de Qualificação está vinculado a solicitação do orientador.

Artigo 41º – O aluno regular que completar um mínimo de 75% (setenta e cinco por cento) dos créditos exigidos poderá solicitar agendamento do Exame de Qualificação, que deverá ser realizado no prazo máximo de 18 (dezoito) meses contados a partir da data de ingresso.

§ 1º O Exame de Qualificação consiste na entrega de uma monografia pelo aluno devidamente matriculado, focando o tema de seu projeto de pesquisa a uma banca examinadora.

§ 2º Caso o aluno seja reprovado neste exame, deverá realizar um novo exame em um prazo máximo de 60 (sessenta) dias. Caso seja novamente reprovado, o aluno será automaticamente desligado do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular.

§ 3º O pedido de Exame de Qualificação só poderá ser encaminhado para apreciação da CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular com a anuência formal do orientador, em formulário disponível para este fim na secretaria do programa.

Artigo 42º – O orientador deverá sugerir à CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular a data para o Exame de Qualificação e uma lista de sugestões para a composição da Banca Examinadora com pelo menos 45 (quarenta e cinco) dias de antecedência.

Artigo 43º – A banca examinadora do Exame de Qualificação será composta pelo Orientador e por pelo menos outros 2 (dois) membros escolhidos pela CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular, que poderá ou não se basear nas indicações feitas pelo Orientador, sendo-lhes exigido o título de Doutor ou Mestre.

CAPÍTULO VI – DA DISSERTAÇÃO

Artigo 44º – À critério da CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular, o trabalho de Dissertação poderá ser realizado em outras instituições de pesquisa e ensino, no país ou no exterior, desde que assegurados os requisitos fixados no Artigo 30º deste regimento.

Artigo 45º – Somente poderá defender a Dissertação o aluno de Mestrado que tiver preenchido os seguintes requisitos:

  1. estar regularmente matriculado no curso;
  2. ter cursado as disciplinas obrigatórias e eletivas e outras atividades académicas somando um total de 25 créditos;
  3. ter seu projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UNIFESP.
  4. ter comprovado a submissão de um produto intelectual nos estratos superiores definidos pelo comitê Interdisciplinar da CAPES. Esta produção deverá estar aceita ou em análise até a data da solicitação da banca de defesa.

Artigo 46º. O Orientador deverá sugerir à CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular a data para a defesa pública da Dissertação de Mestrado na UNIFESP e uma lista de sugestões para a composição da Banca Examinadora com pelo menos 60 (sessenta) dias de antecedência.

Parágrafo único: Os exemplares deverão ser entregues com pelo menos 30 (trinta) dias de antecedência.

Artigo 47º. A Banca Examinadora do Mestrado Profissional será constituída por 4 (quatro) membros, 3 titulares e 1 suplente, escolhidos pela CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular, que poderá ou não se basear nas indicações feitas pelo Orientador, sendo-lhes exigido o título de Doutor ou Mestre. O orientador presidirá os trabalhos, mas não emitirá parecer.

§1º Pelo menos 1 (um) dos integrantes titulares da Banca Examinadora deverá, obrigatoriamente, ser externo à UNIFESP.

§2º O orientador deverá providenciar 6 (seis) indicações para membros.

Artigo 48º. Serão igualmente indicados 1 (um) suplente externo e 1 (um) suplente interno à UNIFESP, para, em caso de força maior, substituir o examinador titular impedido por motivo relevante, sendo exigida a mesma titulação estabelecida no caput deste Artigo.

Artigo 49º. No impedimento simultâneo de mais de um Examinador, o Coordenador Geral da CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular poderá indicar o(s) substituto(s), no sentido de garantir a realização do exame na data agendada.

Artigo 50º. A defesa da Dissertação as seguintes etapas:

  1. Entrega da Monografia e dos comprovantes dos créditos;
  2. Indicação dos nomes para Banca Examinadora pelo orientador;
  3. Validação documental pelo CE;
  4. Encaminhamento da documentação para a Conselho de Pós-Gradução e Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo;
  5. Após homolagação da Conselho de Pós-Gradução e Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo as dissertações são encaminhadas para Banca Examinadora;
  6. A Banca Examinadora tem 30 dias para emitir um parecer, prorrogavéis por mais 30 dias;
  7. A monografia pode ser avaliada como aprovada, aprovada mediante correções ou reprovada.

Artigo 51 º. Após a defesa o candidato deverá realizar modificações em sua Dissertação, quando for o caso, com as correções e sugestões propostas pela Banca Examinadora, tendo o prazo máximo de 30 (trinta) dias para entregar a versão definitiva, com visto do orientador, à CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular.

Parágrafo único: O Orientador será responsável pelo fiel cumprimento das exigências da Banca Examinadora, observado o prazo estipulado no parágrafo anterior.

CAPÍTULO VI – DO GRAU ACADÊMICO DE MESTRE

Artigo 52º. O aluno aprovado na apresentação e defesa de sua Dissertação, de acordo com os critérios estabelecidos neste Regulamento e no Regimento Geral da Pós- graduação da UNIFESP, receberá o Grau de Mestre em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular.

DISPOSIÇÃO FINAL

Artigo 53º. Os casos omissos neste regimento serão deliberados pela CE do MP em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular.

Leia mais:

 

 

Para melhorar sua experiência de navegação, utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.